Entenda a usabilidade e o que ela pode fazer por seu projeto

Muito se fala hoje em dia sobre usabilidade mobile, mas você sabe mesmo o que é isso? Os arquitetos de informação, desenvolvedores e designers precisam conhecer bem esse termo – e os problemas que eles têm de enfrentar para consegui-la.  Existem algumas diferenças entre a usabilidade no desktop e a usabilidade mobile, principalmente no que se refere ao espaço e as áreas: a área quente na esquerda superior, os olhos percorrendo a página da direita superior, À esquerda inferior…

Se você é acostumado com a usabilidade no contexto de desktop, não adianta tentar usar os mesmos processos no mobile. Não vai funcionar. No mobile a navegação é mais fluida do que a usabilidade web no desktop ou mesmo dos apps para desktop.

usabilidade mobile também é chamada de Usabilidade de Imersão, porque tem a ver como o modo como o usuário enxerga os aplicativos nos aparelhos móveis e em como se dá a navegação nesse ambiente. No mobile, quando você clica em alguma ação, quase sempre você sai da tela em que está e vai para outra – ou seja, não é questão de apenas carregar algum detalhe ou alterar uma pequena informação (na maioria das vezes, salvo alerts e lists).

O fluxo mobile percorre da esquerda para a direita e essa é a navegação mais tradicional, onde os arquitetos começam a atuar – e onde aparecem os primeiros problemas de fluxo.

Se o usuário fica confuso, ele não entende o fluxo da aplicação

usabilidade no ambiente mobile é trabalhada por meio do fluxo. Se ele for usado de maneira errada, o usuário vai se confundir. É preciso que quem usa seu app compreenda como ele funciona e como “andar” por ele. 

Para isso, é importante pensar nas transições de telas não como enfeites, mas como uma ferramenta crucial para demonstrar o fluxo e a hierarquia da sua informação. Seu aplicativo precisa oferecer uma experiência excelente para o usuário. Para isso é preciso estimular uma conexão emocional entre ele e a sua marca, ou você correrá o risco de ser esquecido (e deletado).

Um estudo do Google no Reino Unido mostrou que um em cada cinco apps instalados (nas categorias restaurantes, delivery, viagens e compras) é esquecido pelos usuários.  Quem não se preocupa em melhorar a experiência, não converte. Pense sempre na experiência do usuário para estimular a conexão emocional entre sua marca e seus usuários.

Princípios da usabilidade em dispositivos móveis

Toda a jornada do seu consumidor deve ser levada em conta na hora de pensar na usabilidade – ela precisa ser limpa e os pontos de conversão devem ser levados em conta. Os aplicativos móveis precisam proporcionar novas expectativas para os serviços que oferecem, e não dá para fazer isso sem melhorar a experiência dos usuários. Se houver algum obstáculo de utilização do seu app, elimine-o o quanto antes.

É importante que as telas de abertura e as técnicas de ativação também sejam consideradas. Os usuários têm que se sentir engajados pelo conteúdo que você está apresentando, porque só assim o aplicativo se tornará importante para eles.  A máxima de que “a primeira impressão é a que fica” é real, por isso a tela de abertura é tão importante para apresentar sua proposta.

Já as opções de dicas ou técnicas de ativação só devem existir se não existir outra alternativa – quanto mais tempo o usuário levar para conseguir usar o app como ele quer, mais irritado vai ficar e maiores as chances de desistir.  A tela inicial deve oferecer todas as funcionalidades que o usuário vai precisar para completar suas tarefas prioritárias e conteúdo de qualidade. A navegação sempre deve ser clara e consistente, não só no início, mas no aplicativo como um todo.

Essas são apenas algumas dicas para que você possa entender o que a usabilidade representa: a diferença entre um projeto de sucesso e um app que pode ser esquecido e deixado de lado rapidamente. Ficou com alguma dúvida sobre o tema? Pergunte nos comentários! 

About Contentools