Que tipo de teste de software tem maior impacto na satisfação do cliente?

Como sabemos, dentro de uma estratégia de testes podem ser aplicados vários tipos de testes de software. Basta, por exemplo, uma busca rápida na Wikipedia e teremos a classificação dos testes de software por técnicas e por fases. Mas já parou para pensar qual deles teria maior impacto na satisfação do cliente?

Faz parte de todo planejamento em um processo de testes a definição das prioridades com base nos riscos do software na operação do cliente. É bem comum que o impacto financeiro seja o critério mais utilizado para priorizar os tipos de testes a serem aplicados durante o ciclo de desenvolvimento do produto.

cliente-satisfeito-650x427

A satisfação do cliente como critério de prioridade

Mas existe diferença entre a satisfação do cliente e o impacto financeiro que um software pode oferecer caso ocorram falhas significativas? Este artigo, um pouco diferente do normal, tem um objetivo de ser mais provocativo, parar e fazer pensar. Dentro do nosso processo normal de testes, que muitas vezes entrou em um piloto automático, nos esquecemos de pensar em perspectivas diferentes.

Voltando à nossa dúvida, o que tem mais impacto no cliente, o financeiro ou a facilidade de uso? A resposta certamente será financeira, afinal não adianta ser bonito, com facilidade de uso e me causar um prejuízo enorme, certo? Parece óbvio, mas agora vamos pensar em relação à escolha dos tipos de teste em nosso processo de satisfação do usuário.

  1. Vamos aplicar testes funcionais como prioridade. Adianta ter um aplicativo funcional mas ele ser lento?

  2. Testes de performance sendo prioritários, adianta ser rápido e não ser seguro?

  3. Então vamos dar prioridade para os testes de segurança. Mas adianta ser seguro e não aguentar a carga de transações e usuários?

  4. Foco nos testes de carga. Mas então de que adianta aguentar o rojão mas ser difícil de usar?

  5. Fácil: usabilidade na frente de todos. Mas é vantagem ter facilidade de uso e não ser confiável?

Claro que em um processo normal de teste de software todas as técnicas serão abordadas e deverão fazer parte da sua estratégia. Esse tipo de exercício pode nos fazer pensar em situações que podem ocorrer em momentos fora do normal, quando há uma situação de entrega urgente? Ou ainda, em um processo ágil, no qual temos uma versão do produto entregue ao cliente a cada final de sprint, o que devemos priorizar?

Como foi dito, algumas vezes nossos processos de testes estão em um estágio tão automático, que é difícil mudar a perspectiva de trabalho para atender a satisfação do usuário com base em critérios diferentes.

A usabilidade, facilidade de uso, a confiabilidade do usuário em utilizar um aplicativo tem se tornado cada vez mais um diferencial em relação aos concorrentes. É possível ver, por exemplo, softwares como Facebook, Whatsapp, Instagram realizando mudanças em suas interfaces com muito mais frequência e apresentando novas funcionalidades cada vez mais com o objetivo de satisfazer o usuário do que ter um aplicativo tão seguro em um primeiro momento.

Você lembra que a criptografia na troca de mensagens foi implementada apenas recentemente?

Na verdade, hoje em dia, a automação dos testes tem nos permitido focar nossos esforços em áreas que estão muito mais ligadas à satisfação do cliente, enquanto que garantir se todas as funcionalidades estão sendo atendidas ou se a performance é aceitável ou não, é uma tarefa a cargo de ferramentas e scripts.

Então está aí nossa provocação: para você, na visão do cliente, o que seria mais prioritário, o que te deixaria mais feliz ao receber o seu produto? Lembre-se de que a qualidade é um processo contínuo, então o que é possível esperar para ser entregue nas próximas versões?

Compartilhe sua opinião em nossos comentários e não deixe de nos seguir nas redes sociais e em nosso blog. 

About Contentools