O Overwatch da Blizzard é um ótimo exemplo de crowdtesting

overwatch1280jpg-6daa73_1280w.jpg

O Overwatch se tornou um fenômeno mundial desde que foi lançado em maio de 2016. Gamers que costumavam variar entre muitos jogos agora jogam exclusivamente o Overwatch. O jogo de tiro em primeira pessoa da Blizzard já possui mais de 25 milhões de jogadores simplesmente alucinados pelo jogo.

Quando a Blizzard decide lançar updates para o Overwatch, se prepara para um trabalho duro e atento. Não há nada como uma multidão de jogadores potencialmente zangados para garantir que uma empresa prime pela qualidade.

Para garantir que as atualizações não tenham falha, a Blizzard emprega o teste de jogos: uma solução de crowdtesting única que garante que o Overwatch permaneça estável quando novas correções e recursos são lançados. A chamada Região de Teste Público (do inglês Public Test Region - PTR) permite que a Blizzard dê a 10.000 jogadores do Overwatch acesso aos recursos recém-lançados na versão beta antes que os novos recursos cheguem para todos os 25 milhões de jogadores em PC, Playstion 4 e Xbox One.

Todo gamer quer participar do PTR e ser o primeiro a testar as novidades do Overwatch. O jogo de tiro em equipes de seis contra seis atiradores é conduzido de maneira extraordinária por seus personagens. O jogo conta com 23 figuras únicas que se dividem em quatro classes (ataque, defesa, tanque e apoio). Cada personagem tem habilidades, design, movimentos e uma história única. D.Va, por exemplo, é uma gamer coreana que se veste com um traje mecânico que conta com uma quantidade quase infinita de munição. Lúcio é um DJ brasileiro que possui uma arma sonora capaz de aumentar a velocidade dos outros jogadores e de curá-los. Winston, por sua vez – também conhecido como Harambe ou "the monkey" - é um gorila inteligente que pode causar muitos danos ao adversário com seus saltos e com sua grande arma elétrica.

Quando a Blizzard faz alterações em um personagem (ou adiciona novos, como fez duas vezes desde o lançamento do jogo), essas alterações aparecem primeiro no PTR. A curiosidade para ver as mudanças nos personagens é o que leva um gamer ao PTR e a Blizzard usa o feedback dos jogadores da versão beta para fazer ajustes antes que uma alteração entre em ação.

Mas o feedback sobre as alterações dos personagens não é o principal propósito: a Blizzard raramente faz novos ajustes depois de um PTR, para a frustração dos fãs que amaram ou dos que odiaram as mudanças. O objetivo do PTR é encontrar bugs antes que cada nova correção seja oficialmente lançada.

Jeff Kaplan, diretor do jogo Overwatch comentou sobre isso em uma recente atualização do desenvolvedor: “Eu notei alguma confusão na comunidade sobre qual é o propósito exato do PTR. Muitos jogadores assumem que o PTR só existe para que os jogadores possam dar um feedback sobre as próximas mudanças. E embora isso seja uma parte realmente importante do PTR, não é o seu único objetivo.

O objetivo mais importante do PTR é verificar se o jogo está estável, se funciona corretamente e se há bugs ou falhas no jogo. O PTR permite verificar todas essas questões. Por isso a Blizzard coloca novas versões do jogo com frequência no PTR. Algumas vezes, uma correção apresenta muitos problemas e isso nos permite resolvê-los muito rapidamente.

Verificar como os jogadores reagem a uma atualização também é muito importante, mas não é o principal objetivo do PTR. Nós estamos mais preocupados com a estabilidade do jogo. Ele está funcionando bem? Está pronto para ser jogado on-line por todos os nossos jogadores?”

O fato da Blizzard contar com muitos usuários é uma vantagem. Quando se tem 25 milhões de usuários ativos, encontrar 10.000 para testar um produto é fácil e extraordinariamente fácil.

O Facebook e a Microsoft também empregam métodos semelhantes. O Facebook envia potenciais atualizações para alguns usuários e avaliam o feedback antes de liberarem uma novidade. Usuários do Facebook na Nova Zelândia e de algumas cidades do Arkansas se acostumaram a usar versões ligeiramente diferentes ds rede social. A Microsoft usa seu programa Windows Insider para testar novas versões do sistema operacional antes de lançá-la na rede.

A abordagem da Blizzard, do Facebook e da Microsoft mostra que existe um valor real e tangível em testar um produto com a ajuda dos usuários e como é importante testá-lo antes de enviá-lo para todos os usuários.

Esse conteúdo é uma tradução. Conteúdo original publicado em Erc from Applause.

Como você viu, testes de aplicativos são fundamentais! Quer garantir a qualidade do seu software e evitar bugs? Acesse agora o site da Base2 e encontre a solução!

About Contentools